Portuguese Evangelicals United in a Vision to Transform the Nation (Evangelização portugueses unidos numa visão para a transformação da Nação)

pascoal_1_325
The Portuguese Evangelical Alliance is one example of the
involvement of all denominational families within old Europe.

Portugal and its Social and Religious Characteristics
Portugal is a nation with more than eight hundred years of history and with ten million inhabitants distributed throughout an area of 92.065 km2. The country is divided administratively into eighteen districts and the two autonomous regions known as the archipelago of the Azores (which has nine islands) and the archipelago of Madeira (which has two islands). Of its 308 concelhos (administrative sub-divisions of districts), forty-five have no evangelical witness of any denomination. Of the 4,261 parishes, only eight hundred have an evangelical church. Today there are approximately 1,650 churches which can be considered evangelical and which have an extended community that represents 1.6% of the Portuguese population.

For quite some time the evangelical community was characterized by a history of denominational sectarianism; unfortunately, this still exists in some areas. The lack of interdenominational cooperation has led to the lack of a visible and convincing public image in Portuguese society. Patrick Johnstone wrote that Portugal needs a united vision to reach the nation for Christ.1

From the social point of view, we can define the Portuguese spirit as nostalgic and excessively fatalistic. Portugal may be considered the fifth most pessimistic country in the world. Within the European Union it is also the country with the highest level of domestic violence: sixty Portuguese women die each year as victims of domestic violence. One in five Portuguese women is the victim of domestic violence. We also take the lead in the ever-growing number of HIV-AIDS carriers and in the number of accidents on the roads. Additionally, 96.6% of Portuguese families are in a situation of debt.

The Evangelical Christian Response in Portugal
Within this context, the Portuguese evangelical community has tried to respond to the deepest needs of the Portuguese spirit. The Christian community has lived in special moments of unity and service for God's glory and the growth of his kingdom in Portugal and in the world; in this way the Church is attempting to change the face of this beloved nation.


We can define the Portuguese spirit as nostalgic and excessively fatalistic….Within this context, the Portuguese evangelical community has tried to respond to the deepest needs of the Portuguese spirit.


The 2000 “March for Jesus” held in Lisbon drew thousands of believers from different parts of the country to testify to the Lord's name in the streets of the Portuguese capital. This was evidence of the growing evangelical presence in Portugal and the Church’s new determination to change the face of the country. The 2001 March for Jesus was repeated in Oporto, the European capital of culture; thousands of believers took to the streets in a clear testimony to their unity and desire to announce the name of the Lord Jesus to the world.

There are also signs of a growing desire to join forces in favour of the evangelization of Portugal and the world. The Portuguese Evangelical Alliance (PEA) is one example of the involvement of all denominational families, from the charismatic sectors to the most conservative, within old Europe. The leaders of these denominations are asking each other about the possibility of praying together and working for the evangelism of Portugal and the world. The numbers are encouraging. According to the information contained in the World Churches Handbook, edited by Dr. Peter Brierley, with information by Patrick Johnstone, the growth of evangelical churches in Portugal continues to stimulate and challenge.

The number of churches has multiplied fivefold. Portugal needs to plant 1,125 new churches in its territory to reach a target, exceptional for Catholic Europe, of one church for every 3,500 people.

Strategically, the individuals in the Department of Missions of the PEA have traveled across the country, challenging churches, denominations and leaders to reach the forty-five sub-districts which still have no evangelical presence. These individuals have taught about unreached peoples and suggested that these peoples be adopted by each of the evangelical churches. According to Johnstone, there are four thousand unreached ethnic groups; of these, 2,134 can be divided into many more different ethnic sub-groups with their own dialects. The cross-cultural challenge is with us and the Portuguese are not indifferent to it. Portugal has a total of sixty-five cross-cultural missionaries which, considering the number of evangelicals in the country, is significant. However, many of these missionaries belong to one organization that is especially involved in social work.

In the past there were periods of great enthusiasm, dedication and prayer for world mission within the Portuguese Church. This can also be seen today. Several missionary agencies in Portugal, prayer movements and some denominations are seriously motivated for missionary work. Indeed, Portugal is an open door for cross-cultural missions in Asia, in the East European countries, in the Americas and in Africa. This is true for three reasons:

  • Geographic. The closeness of Northern Africa and Southern Europe.

  • Historical. Relations which exist with Brazil, East Timor and Portuguese-speaking Africa.
  • Sociological. Portugal is one of the most important countries in receiving immigrants from Eastern European countries.

The Global Mission Project 2015
For all the above-stated reasons, the PEA is committed to stimulating the evangelical community to a deeper spiritual vision of national and cross-cultural missions in order to bring about a healthy missionary movement in and moving out from Portugal. The aim is to transform this historic nation. In this sense, we have received direction and training from two great missionary movements: (1) Dawn Ministries and (2) the international COMIBAM, a movement of Latin American cooperation to support the Latin American countries in fulfilling the Great Commission. Supported by these two structures, we have tried to mobilize the body of Christ in Portugal in seeking to fulfill the Great Commission through the evangelization of thousands of people and the establishment of churches. We do this while also respecting the individual characteristics of each church and denomination which partners with us.

The objective of the PEA Global Mission 2015 project is the expansion of the Kingdom of God, not only in Portugal but also from Portugal to all the nations. The project is designed to bring together the church planting effort, Portugal 2015, and the sending cross-cultural mission, World 2015. On the national level, the vision is for a church to be within everyone's reach in this generation.

To this end we challenge the denominations, associations of churches and independent churches to define their goals and to adopt the unreached localities to plant new, healthy and mature churches there by the year 2015. On the cross-cultural level, we aim to serve the evangelical community by making Portugal a cross-cultural missionary force among unreached peoples and by stimulating the establishment of partnerships between churches and missionary agencies and organizations. We are developing efforts to support churches and associations of churches to equip them in the area of motivation, vision, information, call, selection, training, sending, support and care for missionaries on the field. We do this through congresses and other events.

As key elements in the strategy of the Global Mission 2015, we share with churches and pastors the vision to evangelize and transform cities and the missionary command to proclaim the gospel. We have also stimulated a movement of strategic prayer, intentionally focusing on the Kingdom of God in Portugal. We have begun a process of research which describes the different religious, historical, social, cultural and spiritual realities of each district and the present cross-cultural missionary commitment of the churches and denominations.


Global Mission 2015 includes sharing with churches and pastors the vision to evangelize and transform cities and the missionary command to proclaim the gospel.


We also hold consultations with church leaders and conferences at the district level to define aims and to mobilize churches to reach unreached localities in Portugal and in the world. We also help to define and proclaim the prophetic message to reach each district, city, town and village in the country, to adopt ethnic groups and to send cross-cultural missionaries.

Two examples of how Portugal is being transformed are: (1) Graciosa, an island in the Azores, and (2) the sub-district of Vizela. In both cases the team of leaders of the Global Mission 2015 challenged pastors and leaders to unite to reach these areas in organised outreach. After several months, the Pentecostal Novas de Alegria (“Joyful News”) church and the Baptist Church of Praia da Vitória, both in the Terceira Island in the Azores, are about to baptize the first new believers in the Graciosa Island, an island previously without a church. In Vizela, veteran missionary Bill Wooten, after many years of trying to plant a church in that city, had the joy of beginning a new church and of seeing a beautiful new building opened, paid for and adapted for worship by different churches in the region.

It is God's mission (missio dei) that we are concerned with. From him all things proceed and to him all return. God's glory is the purpose of this whole undertaking. We believe it is God himself who is bringing this about. All the same, it is his plan to use the Church to fulfill his holy purposes. Certainly God will add the necessary means.

Endnote

1. Johnstone, Patrick. Operation World. 21st Century Edition. Waynesboro, Georgia, USA: Paternoster Publishing. 529.

(This article was originally written in Portuguese. See below for original text.)

Portugal e o seu Perfil Socio-Religioso
Portugal é uma nação com mais de oitocentos anos de história e com 10.000.000 habitantes distribuídos por uma superfície de 92.065 Km2. O país divide-se administrativamente em 18 distritos e 2 regiões autónomas conhecidas como o arquipélago dos Açores com 9 ilhas e o arquipélago da Madeira com duas. Dos 308 concelhos, 45 não têm qualquer testemunho evangélico de qualquer denominação. Das 4261 freguesias pouco mais de 800 têm a presença de uma igreja evangélica. Neste momento existirão cerca de 1650 Igrejas de matriz evangélica com uma comunidade alargada que representará 1,6 % da população portuguesa.

Durante muito tempo, a comunidade evangélica foi protagonista de uma história de sectarismo denominacional o que ainda persiste em alguns sectores. A falta de cooperação interdenominacional gerou a ausência de uma imagem pública, visível e credível entre a sociedade portuguesa. Patrick Johnstone escreveu mesmo que Portugal teria necessidade de uma visão única para alcançar a nação para Cristo.

Do ponto de vista social, podemos definir a alma portuguesa como saudosista e excessivamente fatalista. Portugal será mesmo o 5º país mais pessimista do mundo. É também um país no quadro da União Europeia campeão da violência doméstica. 60 mulheres portuguesas morrem em cada ano vítimas de violência doméstica infligida pelos seus cônjuges. 1 mulher portuguesa em cada 5 é vítima de violência doméstica. Somos também campeões na taxa cada vez mais crescente de infectados com o HIV-Sida e ocupamos o primeiro lugar europeu nos acidentes de trânsito. Um outro dado importante é o facto de que 96,6 % das famílias portuguesas estão em situação de sobre-endivididamento.

A Resposta Cristã Evangélica em Portugal
Num contexto assim, a comunidade evangélica portuguesa tem procurado responder aos mais profundos anseios da alma portuguesa, entristecida e sem grande esperança no futuro. A comunidade cristã tem vivido, nestes últimos anos, momentos especiais de unidade e serviço para a glória de Deus e crescimento do seu Reino em Portugal e no mundo, tentando assim alterar o rosto desta amada nação.


Podemos definir a alma portuguesa como saudosista e excessivamente fatalista….Num contexto assim, a comunidade evangélica portuguesa tem procurado responder aos mais profundos anseios da alma portuguesa.


A Marcha por Jesus realizada em Lisboa, em 2000, quando alguns milhares de crentes, vindos de várias partes do país, testificaram do Nome do Senhor nas ruas da capital portuguesa, evidenciou um pouco da crescente presença evangélica em Portugal com uma determinação nova de alterar o rumo desta pátria amada. No ano de 2001, repetiu-se na cidade do Porto, capital europeia da cultura, a Marcha por Jesus, levando milhares de crentes às ruas da segunda maior cidade do país, num evidente testemunho de unidade e de vontade de anunciar o Nome do Senhor Jesus ao mundo, começando pelos portugueses.

Além destes dois grandes eventos, tem-se percebido sinais de uma vontade crescente de unir forças em favor da evangelização de Portugal e do mundo. A Aliança Evangélica Portuguesa (AEP) é hoje um bom exemplo de agregação de todas as famílias denominacionais, desde os sectores carismáticos aos mais conservadores, dentro da velha europa. Respeitando-se as posições doutrinárias e as diferentes práticas eclesiásticas, os líderes perguntam-se sobre a possibilidade de juntos orarmos e trabalharmos pela evangelização de Portugal e do mundo.

Os números também são animadores. Segundo as informações contidas no World Churches Handbook, editado pelo Dr. Peter Brierley, com informações de Patrick Johnstone, o crescimento das igrejas evangélicas em Portugal continua a ser estimulante e, ao mesmo tempo, desafiador. O número de Igrejas, de membros filiados e da grande comunidade, multiplicou-se por cinco vezes. Portugal precisa de plantar 1125 novas Igrejas no seu território para alcançar um alvo excepcional para toda a europa de tradição católica de uma igreja por cada 3500 habitantes. Estrategicamente, o Departamento de Missões da AEP tem corrido o país a desafiar Igrejas, denominações e, particularmente, os líderes, para o alcance dos 45 concelhos que ainda não possuem qualquer presença evangélica. Em termos do desafio missionário transcultural, o departamento de Missões da AEP tem ensinado acerca dos povos não alcançados e sugerido a adopção dos mesmos por cada uma das igrejas evangélicas.

Segundo Patrick Johnstone, existem 4.000 etnias totalmente não alcançadas e desses 4.000, 2.134 grupos étnicos poderão ser desdobrados em muitas mais etnias distintas com dialectos próprios, o que nos poderá levar a um grupo bem maior de povos não alcançados, algo em torno de 8.000 grupos étnicos por alcançar. O desafio transcultural está aí e não tem deixado os portugueses indiferentes. Portugal deverá ter um total de 65 missionários transculturais, o que, considerando o número de evangélicos no país, não deixa de ser um número interessante. Todavia, muitos desses missionários pertencem a uma única organização mais voltada para o serviço social.

Na história passada e recente da igreja portuguesa, tem havido períodos de grande entusiasmo, consagração, oração por missões mundiais. Hoje existem em Portugal diversas agências missionárias, movimentos de oração, e algumas denominações estão seriamente mobilizadas para as missões. É que Portugal é hoje uma porta aberta para missões transculturais na Ásia, nos Países do Leste Europeu, nas Américas, e nas Africas. Porquê? Por razões diferentes:

  • Geográficas. Proximidade do Norte de África e Sul da Europa.

  • Históricas. Relações com Brasil, Timor Leste e África de língua portuguesa.
  • Sociológicas. Portugal é um dos mais importantes países de acolhimento dos imigrantes dos países do Leste Europeu.

O Projecto Missão Global 2015
Por todas as razões acima expostas, a AEP está hoje comprometida no estímulo à sua comunidade para o aprofundamento de uma visão espiritual de missões nacionais e transculturais que provoque um saudável movimento missionário em Portugal e a partir de Portugal tendo em vista a transformação desta histórica nação. Nesse sentido, procurámos receber direcção e treinamento de dois grandes movimentos missionários a saber, a Dawn Ministries, para a dinamização de um movimento de plantação de igrejas que resulte na transformação da nação, e o COMIBAM Internacional, um movimento de cooperação missionária iberoamericano para apoiar as nações iberoamericanas no cumprimento da Grande Comissão. Assim, apoiados por estas duas estruturas, temos procurado mobilizar o Corpo de Cristo em Portugal, num esforço determinado e cooperativo, buscando cumprir a ordem da Grande Comissão através da evangelização de milhares de pessoas e do estabelecimento de igrejas no maior número possível de freguesias e concelhos deste país, respeitando-se a individualidade de cada igreja cooperante e de cada denominação participante.

Surgiu assim o projecto da AEP chamado Missão Global 2015 cujo objectivo geral é a expansão do Reino de Deus, não apenas em Portugal mas a partir de Portugal para todas as nações. O projecto está pensado de forma a integrar o esforço de plantação de igrejas, Portugal 2015, e o envio missionário transcultural, Mundo 2015. Na vertente nacional, a visão é termos uma Igreja acessível para todas as pessoas, em todo o país, nesta geração, desafiando para isso as denominações, associações de igrejas e igrejas independentes a definirem os seus alvos e a adoptarem os locais não alcançados para a plantação de novas igrejas, saudáveis e maduras até ao ano 2015.

Na vertente transcultural, procuramos servir a comunidade evangélica para a efectivação da visão de fazer de Portugal uma força missionária transcultural entre os povos não alcançados, estimulando o estabelecimento de parcerias entre igrejas ou entre agências missionárias e organizações missionárias, incentivando assim o alcance dos povos não alcançados. Para isso, desenvolvemos iniciativas de apoio às igrejas e associações de igrejas de capacitação nas áreas de motivação, visão, informação, chamada, selecção, formação, envio, sustento, apoio e cuidado dos missionários nos campos, através de congressos e acções de despertamento da visão missionária transcultural.

Como elementos chave da estratégia do projecto Missão Global 2015, compartilhamos com igrejas e pastores, a visão da evangelização e transformação das cidades e do mandato missionário às nações pela proclamação do Evangelho. Temos também estimulado um movimento de oração estratégica, intencionalmente focado no reino de Deus a partir de Portugal. Já iniciámos um processo de pesquisa que aponte as diferentes realidades religiosas, históricas, sociais, culturais e espirituais de cada distrito do nosso país e o actual compromisso missionário transcultural das igrejas e denominações.


Como elementos chave da estratégia do projecto Missão Global 2015, compartilhamos com igrejas e pastores, a visão da evangelização e transformação das cidades e do mandato missionário às nações pela proclamação do Evangelho.


Realizamos igualmente consultas com as lideranças das igrejas para encorajamento e conferências distritais para a definição dos seus alvos e mobilização das igrejas para o alcance dos locais não alcançados em Portugal e no mundo até ao ano 2015. Posteriormente ajudamos a definir e a proclamar a mensagem profética para alcance de cada distrito, cidade, vila e aldeia do país, adopção de grupos étnicos e envio de missionários transculturais, bem como o planeamento com os líderes locais, dos alvos e as estratégias de evangelização dos distritos e de missões transculturais.

Como exemplo daquilo que está a acontecer em Portugal, fruto da visão de Deus para esta nação, referimos o caso da Ilha Graciosa nos Açores e o caso do concelho de Vizela. Nos dois casos, a equipa de liderança da Missão Global 2015 desafiou pastores e líderes a unirem-se para alcançarem estas duas terras num esforço concertado. Depois de alguns meses, apenas meses, a Igreja Novas de Alegria, de linha pentecostal, e a Igreja Baptista da Praia da Vitória, ambas da Ilha Terceira nos Açores, irão realizar os primeiros baptismos de novos convertidos na ilha da Graciosa, uma ilha sem igreja até ao momento. Em Vizela, o missionário veterano Bill Wooten dos Estados Unidos da América, depois de muitos anos em Portugal a tentar plantar uma igreja naquela cidade, teve o gozo de iniciar uma nova igreja e de ver aberta uma linda casa de oração, paga e adaptada por diferentes igrejas da região.

É evidente que não ignoramos que estamos a lidar com a Missio Dei e que a bênção e a aprovação de Deus é muito mais do que um meio. D’Ele procedem todas as coisas e para Ele voltam. A glória de Deus constitui o propósito de todo este empreendimento, que acreditamos, é Deus quem está a realizar. Todavia, é Seu plano usar a Igreja para cumprir, mais uma vez, os seus santos propósitos. Certamente Deus acrescentará os meios necessários.


Paulo Pascoal is director of the Portuguese Evangelical Alliance Missions Commission. Through this commission he heads up a transformational saturation church planting movement called Global Mission 2015. He is also director and a faculty member of the Portuguese Baptist Theological Seminary. Pascoal is the initiator and coordinator of Mevic-Intercultural Evangelical Mission, an interdenominational mission agency to help the Portuguese churches to fulfill the Great Commission.